Category Archives: Religião

Surreal Buddhist Bug Project Tries To Negotiate Between Buddhism And Islam

Cambodian-based artist Anida Yoeu Ali

Artigo

Igreja Católica angolana abre guerra à feitiçaria

Media_httpimagenspubl_oeafq

A Igreja Católica angolana está em guerra contra a feitiçaria. Os fiéis, religiosos e sacerdotes que a ela recorram, ou a fomentem, podem ser suspensos e ser-lhes vedada a comunhão.

A decisão foi tomada na semana passada e pretende responder ao “incremento” da crença na feitiçaria, um fenómeno que está a alarmar a hierarquia católica e foi apresentado como uma “praga cultural” pelo arcebispo José Manuel Imbamda, porta-voz da Conferência Episcopal de Angola e S. Tomé.

O comunicado final da assembleia geral da conferência episcopal, que terminou na semana passada em Luanda, e em que foi aprovada uma nota pastoral sobre feitiçaria, fala em “penas de interdição e suspensão temporárias”.

Numa entrevista à Rádio Renascença, José Queirós Alves, arcebispo do Huambo, foi mais longe e disse que está também previsto suspender os envolvidos de “participar na comunhão”.

É conhecida a posição da hierarquia católica, que há muito chama à atenção para a incompatibilidade entre cristianismo e práticas de feitiçaria. A novidade é que às palavras se somam agora “sanções correctivas”, como lhes chamou José Manuel Imbamda, em declarações divulgadas pela estação católica angolana Rádio Ecclesia.

O problema vem de longe – e existe em diferentes países africanos – mas “ganhou proporções tão graves que perturba a vida dos cristãos, destrói os laços familiares e afecta as relações entre as pessoas”. Vai ao ponto de “perturbar a ordem pública, devido à prática de justiça privada”, diz a nota dos bispos.

O porta-voz da Conferência Episcopal anunciou disponibilidade da Igreja para trabalhar com entidades como as governamentais e estudiosos para ajudar a compreender que “a crença na feitiçaria é um atraso, é uma paralisia social”. “Ficamos todos emaranhados nesta teia de crendices que não nos ajudam a evoluir”, considerou.
 

Crença aliada à pobreza

As represálias contra pessoas acusadas de feitiçaria também são comuns. Em 2010, os bispos pediram protecção especial para o número crescente de crianças que sofrem abusos e são abandonadas – já houve casos de morte – por familiares e pessoas próximas que vêm nelas o motivo dos seus infortúnios.

Na altura, o bispo de Mbanza Congo, Serafim Xingo ya Hombo, referiu-se à feitiçaria como terrorismo cultural, em que a crença aliada à pobreza leva pessoas a cometerem actos desumanos contra idosos e menores, principalmente no Leste e Norte do país.

“A doença é sempre justificação para a ida ao feiticeiro e a ignorância leva as pessoas a acatarem conselhos absurdos que atentam contra os direitos humanos, daí a necessidade de garantir mais acesso aos hospitais e às escolas em todos os pontos do país”, disse Xingo ya Hombo, citado pela agência noticiosa Angop.

Quando visitou Angola, em 2009, o Papa Bento XVI pediu que fossem combatidas a bruxaria e os rituais com sacrifícios humanos. “Chegam a condenar crianças de rua e até idosos, porque, dizem, são bruxos”, afirmou, numa homilia, citado pela AFP.  

No ano passado, o chefe da Igreja voltou ao assunto. “Aflitos com os problemas da vida, não hesitamos em recorrer a práticas que são incompatíveis com os caminhos de Cristo. Os abomináveis efeitos são a marginalização e mesmo a morte de crianças e de idosos condenados pelas falsas percepções da feitiçaria”, disse aos bispos do país, no Vaticano.

Estatísticas oficiais divulgadas quando o Papa visitou o país indicavam que 55% da população angolana é católica e que 25% acreditava em religiões tradicionais.

Irónico o facto de pudermos pegar em todos os argumentos da igreja católica contra a feitiçaria e virá-los contra a própria igreja…

http://nv-politique.blogspot.pt/

Olha, afinal há 92% de crentes em Portugal – Henrique Monteiro

Não pode ser! Eu leio jornais e vejo televisão e ouço rádio. E a percentagem não pode ser esta, o censo do INE tem de estar enganado. Querem-me fazer crer que só oito por cento dos portugueses não tem religião? Hum…

Mais: 88 por cento são católicos, essa raça que acredita em coisas estranhas como Deus ou a transcendência. Ou, ainda, que o bem e o mal estão inscritos no coração dos homens. E, depois, ainda há quatro por cento que não sendo católicos acreditam mais ou menos nas mesmas coisas – evangélicos, protestantes, anglicanos, judeus e muçulmanos.

 Um pouco mais a sério: estes números não vos fazem pensar? Estes resultados do Censo 2011 não vos mostram quão longe a comunicação social está, por vezes, da realidade? A mim, sinceramente, faz-me pensar e muito.

Twitter: @HenriquMonteiro https://twitter.com/HenriquMonteiro

Facebook:Henrique Monteiro http://www.facebook.com/hmonteir  

Não é só como a comunicação social está longe da realidade, mas as pessoas também.

http://nv-politique.blogspot.pt/

Se ainda tiverem alguma consideração pelo Romney vejam isto.

via Twitter @Jared_A_Manning

Não sei se já reparam nos Elders, aqueles rapazes que vêm de um misto de países talvez do centro da europa, vestidos de fatinho, parolos, em grupo, e que todos têm uma chapa a dizer Elder Later, ora bem, esses são um grupo religioso ligado diretamente aos Mormons no Estados Unidos. 

 

http://nv-politique.blogspot.pt/

O pão nosso de cada dia nos dai hoje .. (em urdu é quase igual: ہماری روز کی روٹی ہمیں یہ دن دے دو)

Já na quarta-feira o tribunal de primeira instância de Islamabad tinha adiado para hoje a decisão sobre o assunto. Agora, sob aparente pressão dos líderes religiosos, preferiu manter a menor mais dois dias na prisão.

Rimsha Masih, com cerca de 13 anos, sofre da síndrome de Down. Os pais integram uma igreja cristã protestante e a criança terá alegadamente sido encontrada a queimar páginas do Corão. A defesa de Rimsha sustentou-se nos resultados da observação médica que analisou a menina para confirmar os problemas mentais e espera que o relatório ajude a libertar a criança.

A observação médica, no entanto, foi contestada pelos líderes religiosos muçulmanos que estiveram presentes na audiência e pediram o castigo da menina. E foi perante essa pressão que os juízes decidiram manter a criança presa mais dois dias. A AsiaNews diz que a tensão no tribunal era “palpável” e que aumentam agora os temores pela segurança de Rimsha.

Para estes líderes, segundo a mesma fonte, está em causa o artigo 295 do Código Penal paquistanês, que prevê a punição das ofensas contra o Corão com prisão perpétua. De acordo com a contestação, a menina não tem menos de 14 anos, o que lhe dá idade legal para ser acusada, e não sofre de perturbações mentais.

Sábado, diz a AsiaNews, a sessão do tribunal deverá decorrer à porta fechada por razões de segurança. A agência acrescenta que há cada vez mais perigo para a integridade de Rimsha e que “não está colocada de parte a hipótese de que algum elemento fanático ou grupo extremista planeiem matá-la”.

Fora do tribunal, grupos cristãos e activistas dos direitos humanos manifestaram-se a pedir a libertação da menina. A organização Avaaz lançou uma campanha internacional com esse fim.

Rimsha não é caso único: desde 2009, Asia Bibi, uma católica paquistanesa, foi presa depois de também acusada de blasfémia. A mulher terá bebido água de um poço enquanto trabalhava no campo, sendo acusada por outras mulheres de conspurcar a água que lhes pertencia. Asia reagiu, invocando a sua fé cristã, o que lhe valeu a acusação de blasfémia e a condenação à morte. A sua história está contada no livro Blasfémia (ed. Alêtheia), um depoimento recolhido pela jornalista francesa Anne-Isabel Tollet publicado há meses em Portugal.

A míuda tem 13 anos e síndrome de down…

http://nv-politique.blogspot.pt/

The End of the Evolution Debate by Richard Leakey (must read)

As evidence becomes more certain, it’ll be incorporated in more and more education curricula around the world. There are still jurisdictions in the United States where creationism and evolution are given equal weight in education. But irrespective of what the Unites States requires in terms of curricula, the availability of data on the Web – the whole IT movement – is making it more and more likely that an increasing number of young minds will have their own questions, and find their own answers.

There will always be the fundamentalists, but I think the general sense that we’re a product of a changed organism through time will go down as a tick on a list of things we needed to know.

What people will probably come to realize is that religion and evolution don’t have to be exclusive of each other. My grandfather was a devout Christian missionary, but he managed to reconcile evolution with the simple explanation of creation that’s in the Bible.

The Bible doesn’t explain everything. It doesn’t explain how we can get pictures through fiber-optic cable, or how we walked on the moon. But that doesn’t mean those things aren’t real, or that they are anti-Christian in some way. So, just because evolution isn’t explained in the Bible doesn’t mean it hasn’t happened. You can’t be a cherry picker on this.

My grandfather recognized that people need to have either a very good education or faith, because there are so many questions around us. If you don’t have access to answers to those questions, blind faith can be very helpful. But with the progress of science and the information that’s now available, I think more and more people are going to say, “Well, I can still believe in God, but I don’t think he has to have created me.”

The fight against evolution has been used to turn new generations against science. And although it doesn’t really matter in a country like the United States or Western Europe, the growing antipathy towards science in countries in Africa and South America is very worrying, because many of the problems that will beset nations around the world, particularly the poorer nations, will require investment in science. It’s critical, now more than ever, that we embrace the plethora of evidence that points to evolution. We need to accept our past so that we can prepare for our future.

Richard Leakey’s prolific career as paleoanthropologist, politician, and environmentalist has spanned five decades. His pioneering work in the Turkana Basin region of northern Kenya has unearthed much of the existing fossil evidence for human evolution. Currently, he is the chairman of the Turkana Basin Institute, a professor of anthropology at Stony Brook University, and a fellow of the Royal Society of London.

“The Bible doesn’t explain everything” – A Bíblia não explica nada … foi o único ponto em que o senhor errou.

http://nv-politique.blogspot.pt/

Mohamed Morsi of Muslim Brotherhood Declared as Egypt’s President

Media_httpgraphics8ny_babgr

Uma excelente reportagem / artigo sobre o Egipto e as eleições…
Falemos de Primavera Árabe agora… com a liberdade nas mãos optaram pelo candidato islamita faltando agora saber como funcionará o governo e no contexto atual dificilmente será um Islão progressista e democrata… A liberdade de escolha permitiu isto, permitiu também que o 2º classificado fosse o vice-presidente do presidente deposto… essa primavera histórica é para mim tão histórica quanto o 25 de abril, nós queríamos democracia e liberdade (uns quantos queriam ditadura do proletariado) eles se calhar querem um Islão forte capaz de combater o ocidente e de se coligar com os restantes países árabes… se olharmos para o nosso passado (monarquia, cruzadas, luta com os restantes deuses e com as restantes culturas) não é assim tão estranho o que lhes está a acontecer, sendo países autónomos, na maioria há 40 / 50 anos, deixados no meio da confusão da descolonização com fronteiras traçadas e criadas não por eles mas por nós, subjugados durante anos aos nossos (europeus) interesses e aos interesses norte americanos mesmo após as independências, liderados por líderes que não foram por eles escolhidos..
Contudo nada indica que esta eleição não tenha sido fogo-de-vista… e é bastante provável que alguns líderes mundiais o tenham na mão como tiveram outros tantos e se parecer estranho que assim seja basta lembrar Gaddafi esse líder tribal que horrorizou um país durante anos suportado por nós.

http://nv-politique.blogspot.pt/

The God Who Wasn’t There

Um bom documentário com alusão à imagem de Jesus e à sua eventual e provável inexistência na terra, algumas (bastantes) incongruências na história bíblica e nas suas semelhanças com histórias anteriores.


Download [subtitles included]:
http://rapidshare.com/files/301907345/TGWWT.part1.rar
http://rapidshare.com/files/301935343/TGWWT.part2.rar
http://rapidshare.com/files/302043928/TGWWT.part3.rar
http://rapidshare.com/files/302068742/TGWWT.part4.rar

Subtitles [Bulgarian, Greek, Italian, Turkish, Portuguese-BR]:
http://www.mediafire.com/?mivotz1ezhm

God save the technology

Levar o telemóvel para a missa não costuma dar bom resultado. Ouve-se um toque de mensagem durante a primeira leitura, uma chamada na segunda leitura e quando se chega à homília já alguém atende chamadas em voz baixa, respondendo que não pode falar “agora”.

O padre lá vai pedindo que se ponham os aparelhos no silêncio, mas há sempre alguém que escapa – como, de resto, em quase todos os eventos sociais onde o telemóvel não seja impedido de entrar à partida. O que pensaria, portanto, se durante uma missa o padre pedisse aos fiéis para levantarem os telemóveis e receberem a bênção cristã? Talvez exactamente o mesmo que pensaram os ingleses que frequentam a igreja de St. Lawrence Jewry, na city de Londres, quando o reverendo Canon David Parrott disse, em tom solene: “Que as nossas línguas sejam gentis, os nossos emails simples e os nossos sites acessíveis.”

Depois, pediu à congregação que elevasse os seus iPhones e BlackBerries para que recebessem a bênção, numa versão completamente nova da chamada “Plough Monday”, tradição medieval que se celebra na primeira segunda-feira doze dias depois do Natal. A ideia é abençoar as ferramentas de trabalho (sendo que plough é uma ferramenta agrícola). Ora, para os empresários da city londrina, coração financeiro da cidade, as ferramentas são os portáteis e smartphones. Daí que no site da Igreja tivesse sido anunciado que “o serviço vai pedir pelas ferramentas do nosso trabalho e irá incluir a bênção da Apple e BlackBerry. Todos são bem-vindos”. O altar do reverendo, escrevia esta semana o repórter do jornal “The Times”, inclui dois portáteis e quatro smartphones ao lado dos textos sagrados.

Nada parece despropositado, nem a oração escrita por Canon para englobar nas preces a Deus a protecção aos gadgets de cada dia. “Pela vossa bênção, que estes telefones e computadores, símbolos que toda a tecnologia e comunicação das nossas vidas diárias, sejam uma lembrança de que sois um Deus que comunica connosco e fala pela vossa palavra. Ámen.”

Na verdade, não é a primeira vez que a tecnologia dá entrada nas celebrações cristãs. Em Outubro de 2008, depois de um encontro mundial de bispos no Vaticano (sínodo), foi emitido um comunicado em que os responsáveis católicos exortavam ao uso de tecnologias para espalhar a fé: “A Divina Palavra deve ressoar na rádio, nos canais de internet com distribuição virtual e em CD, DVD e iPods, ecrãs de televisão e de cinema.” Está dito.

isn’t that sad?

O peregrino e a viagem, in Público

O peregrino e a Virgem

Um peregrino espera pelo seu autocarro, nos arredores de Valparaiso, Chile, depois de ter participado na romaria anual de devoção à Imaculada Conceição. Todos os anos centenas de cristãos rumam ao santuário, percorrendo várias dezenas de quilómetros a pé.