Category Archives: Poluição

Midway – por onde pára o nosso lixo

Chris Jordan

Via Hypeness#1 e Hypeness#2

Advertisements

Há jardins nos autocarros espanhóis | Boas práticas

“Os autocarros espanhóis estão a ganhar uma nova vida com o conceito de “Phito Kinetic”, um projeto ambientalista que promove a construção de jardins no topo dos transportes públicos. O objetivo é levar às zonas urbanas um pouco mais de áreas verdes, aumentar a absorção de dióxido de carbono nas ruas e sensibilizar a população para a importância das práticas amigas do ambiente.”

In BoasNotícias

Boas práticas, podem ter pouco efeito mas são baratas e até bonitas.

Faculdade de Coimbra produz energia elétrica limpa

A Faculdade de Ciência e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC) acaba de anunciar o início da produção, nas instalações da instituição, de energia elétrica verde, que será transacionada com a EDP – Energias de Portugal. A energia está a ser gerada através de 600 painéis fotovoltaicos divididos pelo edifício central e pelo departamento de Engenharia Mecânica da FCTUC.

Esta faculdade torna-se, assim, uma das primeiras instituições de ensino superior a produzir energia no âmbito dos contratos de minigeração de energia elétrica fotovoltaica.

Com os seus dois novos sistemas de painéis fotovoltaicos, a FCTUC, em colaboração com a empresa Ecowatt, espera produzir, anualmente, 260 MWh de energia, o que corresponde a um corte de 115 toneladas nas emissões de dióxido de carbono (CO2) para a atmosfera.

Os 200 painéis fotovoltaicos instalados no edifício central da FCTUC asseguram uma potência de 52kW e uma produção estimada anual de 82 MWh, permitindo evitar a emissão de 36 toneladas de de CO2 para a atmosfera.

Já os 400 painéis solares do edifício do departamento de Engenharia Mecânica (DEM) garantem uma potência de 100 kW e uma produção prevista de 178 MWh, o que permitirá reduzir em 79 toneladas as emissões poluentes.

De acordo com o diretor da FCTUC, Luís Neves, a aposta na produção de energia elétrica fotovoltaica “contribui para uma maior eficiência energética da instituição e para a redução das emissões globais nocivas ao ambiente, constituindo ainda uma oportunidade de facultar aos alunos da instituição contacto com um sistema de última geração”.

http://nv-politique.blogspot.pt/

Portugal é o país da Europa onde os carros novos menos poluem

Não acredito que seja apenas pela crise, contudo espero que continue mesmo quando esta passar, se não continuar é porque não somos suficientemente responsáveis.

http://nv-politique.blogspot.pt/

Presidente do Uruguai: O discurso que para mim superou Mandela, M.L. King, Lennon e tantos outros.

Energias renováveis e emissão de Dióxido de Carbono – Mapa interativo

Infographic by directblinds.co.uk

Via The Guardian

Só notei o erro crasso da capital do Brasil ser Camberra … e tenho pena que não estejam mais países datados.

http://nv-politique.blogspot.pt/

Universidade Nova concluí: Há menos poluição na Avenida da Liberdade

Media_httpboasnoticia_hyigu

A poluição atmosférica diminuiu na Avenida da Liberdade, após as alterações de trânsito no Marquês de Pombal, tal como aconteceu noutras zonas da capital. A conclusão é de um estudo da Universidade Nova de Lisboa divulgado esta terça-feira, que não garante, no entanto, a “relação direta” entre a medida e esta redução.

O estudo, da autoria do Departamento de Ambiente da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa (FCT-UNL), a que a Lusa teve acesso, conclui que, nos quinze dias úteis que se seguiram às alterações rodoviárias introduzidas no Marquês de Pombal e na Avenida da Liberdade, em Lisboa, houve uma redução da poluição no ar.

Segundo os investigadores, a concentração diária de dióxido de azoto e partículas inaláveis manteve-se sempre abaixo do limite legal naquele eixo, “enquanto na primeira quinzena de Setembro esse valor foi ultrapassado oito vezes”.

“Sem ter em consideração qualquer outro fator, as concentrações de dióxido de azoto e partículas inaláveis medidas na Avenida da Liberdade diminuíram ligeiramente após as alterações na circulação rodoviária”, revela o estudo liderado pelo professor Francisco Ferreira.

De acordo com a investigação, “os perfis horários de concentração de ambos os poluentes também mudaram após as alterações de tráfego”, estando mais concentradas durante a manhã na Avenida da Liberdade, “em vez dos habituais picos de hora de ponta”.

A queda dos níveis de partículas inaláveis terá sido, em conformidade com os dados do Departamento de Ambiente da FCT-UNL, de 32% (de 53 gramas por metro cúbico para 36 gramas) e a dos de dióxido de azoto de 19% (de 67 para 54 gramas por metro cúbico) após a introdução da rotunda.

Qualidade do ar também melhorou noutros locais de Lisboa

Ainda assim, o estudo detetou também noutros locais da cidade, nomeadamente Entrecampos e Olivais, onde se situam estações de monitorização da qualidade do ar, “reduções das concentrações de poluentes no período após 15 de Setembro, por comparação com a primeira quinzena do mês”.

Como tal, alerta a equipa da FCT-UNL, a redução da poluição na Avenida da Liberdade “poderá não ter tido relação direta” com a introdução da nova rotunda do Marquês de Pombal e com o novo regime de circulação na via, porque a “melhoria da qualidade do ar foi generalizada a toda a cidade”.

Apesar disso, o estudo salienta que a redução dos níveis de dióxido de azoto na Avenida da Liberdade “foi superior em relação a outros locais”, pelo que há, por agora, indicações de um “efeito positivo decorrente das intervenções neste local”.

A equipa de investigadores liderados por Francisco Ferreira sublinha que esta análise «tem um caráter muito preliminar, dado o período muito reduzido para esta comparação», recordando que a qualidade do ar «é influenciada por diversos fatores com grande variabilidade», como a meteorologia.

A análise baseou-se nos dados de qualidade do ar ainda não validados pela Comissão de Coordenação de Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo.

http://nv-politique.blogspot.pt/

"Paredes verdes" nos prédios para reduzir a poluição

Media_httpboasnoticia_qjfdk

“Forrar” as fachadas dos edifícios com plantas trepadeiras transformando-os em “paredes verdes” pode contribuir para uma redução de 30% na poluição urbana. A conclusão é de um estudo realizado por um grupo de cientistas das universidades britânicas de Birmingham e Lancaster.

http://nv-politique.blogspot.pt/