Category Archives: Ciência

“Why I changed my mind on weed” by Dr. Sanjay Gupta, CNN Chief Medical Correspondent

O vídeo

Dr. Sanjay Gupta is a neurosurgeon and CNN’s chief medical correspondent.

“(CNN) — Over the last year, I have been working on a new documentary called “Weed.” The title “Weed” may sound cavalier, but the content is not.

I traveled around the world to interview medical leaders, experts, growers and patients. I spoke candidly to them, asking tough questions. What I found was stunning.

Long before I began this project, I had steadily reviewed the scientific literature on medical marijuana from the United States and thought it was fairly unimpressive. Reading these papers five years ago, it was hard to make a case for medicinal marijuana. I even wrote about this in a TIME magazine article, back in 2009, titled “Why I would Vote No on Pot.”

Well, I am here to apologize.

I apologize because I didn’t look hard enough, until now. I didn’t look far enough. I didn’t review papers from smaller labs in other countries doing some remarkable research, and I was too dismissive of the loud chorus of legitimate patients whose symptoms improved on cannabis.

Instead, I lumped them with the high-visibility malingerers, just looking to get high. I mistakenly believed the Drug Enforcement Agency listed marijuana as a schedule 1 substance because of sound scientific proof. Surely, they must have quality reasoning as to why marijuana is in the category of the most dangerous drugs that have “no accepted medicinal use and a high potential for abuse.”

They didn’t have the science to support that claim, and I now know that when it comes to marijuana neither of those things are true. It doesn’t have a high potential for abuse, and there are very legitimate medical applications. In fact, sometimes marijuana is the only thing that works. Take the case ofCharlotte Figi, who I met in Colorado. She started having seizures soon after birth. By age 3, she was having 300 a week, despite being on seven different medications. Medical marijuana has calmed her brain, limiting her seizures to 2 or 3 per month.

I have seen more patients like Charlotte first hand, spent time with them and come to the realization that it is irresponsible not to provide the best care we can as a medical community, care that could involve marijuana.

We have been terribly and systematically misled for nearly 70 years in the United States, and I apologize for my own role in that.

I hope this article and upcoming documentary will help set the record straight.

On August 14, 1970, the Assistant Secretary of Health, Dr. Roger O. Egeberg wrote a letter recommending the plant, marijuana, be classified as a schedule 1 substance, and it has remained that way for nearly 45 years. My research started with a careful reading of that decades old letter. What I found was unsettling. Egeberg had carefully chosen his words:

“Since there is still a considerable void in our knowledge of the plant and effects of the active drug contained in it, our recommendation is that marijuana be retained within schedule 1 at least until the completion of certain studies now underway to resolve the issue.”

Not because of sound science, but because of its absence, marijuana was classified as a schedule 1 substance. Again, the year was 1970. Egeberg mentions studies that are underway, but many were never completed. As my investigation continued, however, I realized Egeberg did in fact have important research already available to him, some of it from more than 25 years earlier.

High risk of abuse

In 1944, New York Mayor Fiorello LaGuardia commissioned research to be performed by the New York Academy of Science. Among their conclusions: they found marijuana did not lead to significant addiction in the medical sense of the word. They also did not find any evidence marijuana led to morphine, heroin or cocaine addiction.

We now know that while estimates vary, marijuana leads to dependence in around 9 to 10% of its adult users. By comparison, cocaine, a schedule 2 substance “with less abuse potential than schedule 2 drugs” hooks 20% of those who use it. Around 25% of heroin users become addicted.

The worst is tobacco, where the number is closer to 30% of smokers, many of whom go on to die because of their addiction.

There is clear evidence that in some people marijuana use can lead to withdrawal symptoms, including insomnia, anxiety and nausea. Even considering this, it is hard to make a case that it has a high potential for abuse. The physical symptoms of marijuana addiction are nothing like those of the other drugs I’ve mentioned. I have seen the withdrawal from alcohol, and it can be life threatening.

I do want to mention a concern that I think about as a father. Young, developing brains are likely more susceptible to harm from marijuana than adult brains. Some recent studies suggest that regular use in teenage years leads to a permanent decrease in IQ. Other research hints at a possible heightened risk of developing psychosis.

Much in the same way I wouldn’t let my own children drink alcohol, I wouldn’t permit marijuana until they are adults. If they are adamant about trying marijuana, I will urge them to wait until they’re in their mid-20s when their brains are fully developed.

Medical benefit

While investigating, I realized something else quite important. Medical marijuana is not new, and the medical community has been writing about it for a long time. There were in fact hundreds of journal articles, mostly documenting the benefits. Most of those papers, however, were written between the years 1840 and 1930. The papers described the use of medical marijuana to treat “neuralgia, convulsive disorders, emaciation,” among other things.

A search through the U.S. National Library of Medicine this past year pulled up nearly 20,000 more recent papers. But the majority were research into the harm of marijuana, such as “Bad trip due to anticholinergic effect of cannabis,” or “Cannabis induced pancreatitits” and “Marijuana use and risk of lung cancer.”

In my quick running of the numbers, I calculated about 6% of the current U.S. marijuana studies investigate the benefits of medical marijuana. The rest are designed to investigate harm. That imbalance paints a highly distorted picture.

The challenges of marijuana research

To do studies on marijuana in the United States today, you need two important things.

First of all, you need marijuana. And marijuana is illegal. You see the problem. Scientists can get research marijuana from a special farm in Mississippi, which is astonishingly located in the middle of the Ole Miss campus, but it is challenging. When I visited this year, there was no marijuana being grown.

The second thing you need is approval, and the scientists I interviewed kept reminding me how tedious that can be. While a cancer study may first be evaluated by the National Cancer Institute, or a pain study may go through the National Institute for Neurological Disorders, there is one more approval required for marijuana: NIDA, the National Institute on Drug Abuse. It is an organization that has a core mission of studying drug abuse, as opposed to benefit.

Stuck in the middle are the legitimate patients who depend on marijuana as a medicine, oftentimes as their only good option.

Keep in mind that up until 1943, marijuana was part of the United States drug pharmacopeia. One of the conditions for which it was prescribed was neuropathic pain. It is a miserable pain that’s tough to treat. My own patients have described it as “lancinating, burning and a barrage of pins and needles.” While marijuana has long been documented to be effective for this awful pain, the most common medications prescribed today come from the poppy plant, including morphine, oxycodone and dilaudid.

Here is the problem. Most of these medications don’t work very well for this kind of pain, and tolerance is a real problem.

Most frightening to me is that someone dies in the United Statesevery 19 minutes from a prescription drug overdose, mostly accidental. Every 19 minutes. It is a horrifying statistic. As much as I searched, I could not find a documented case of death from marijuana overdose.

It is perhaps no surprise then that 76% of physicians recentlysurveyed said they would approve the use of marijuana to help ease a woman’s pain from breast cancer.

When marijuana became a schedule 1 substance, there was a request to fill a “void in our knowledge.” In the United States, that has been challenging because of the infrastructure surrounding the study of an illegal substance, with a drug abuse organization at the heart of the approval process. And yet, despite the hurdles, we have made considerable progress that continues today.

Looking forward, I am especially intrigued by studies like those in Spain and Israel looking at the anti-cancer effects of marijuana and its components. I’m intrigued by the neuro-protective study by Lev Meschoulam in Israel, and research in Israel and the United States on whether the drug might help alleviate symptoms of PTSD. I promise to do my part to help, genuinely and honestly, fill the remaining void in our knowledge.

Citizens in 20 states and the District of Columbia have now voted to approve marijuana for medical applications, and more states will be making that choice soon. As for Dr. Roger Egeberg, who wrote that letter in 1970, he passed away 16 years ago.

I wonder what he would think if he were alive today.”

Via CNN

O mal é que muitos acreditam que “ignorance is bliss”.

Advertisements

Produção científica portuguesa duplicou, ranking mundial da difusão científica.

Universidade do Porto

“As universidades nacionais continuam a melhorar a sua prestação no ranking mundial de difusão científica da SCImago, um dos mais prestigiados a nível internacional. Há sete instituições entre as 700 melhores, sendo que todas conseguem resultados superiores aos registados há um ano, subindo entre 16 e 43 posições na lista divulgada esta semana. Na última década, a produção científica nacional contabilizada nesta publicação mais do que duplicou.

No ranking de 2013, a Universidade do Porto continua a ser a melhor representante nacional, tal como tem acontecido desde a primeira edição da lista. A instituição portuense surge agora no 242.º lugar, melhorando 27 posições relativamente ao ano anterior, fruto de um total de 13 mil publicações científicas. Nos primeiros 300 lugares da tabela SCImago também está a Universidade Técnica de Lisboa (273.º), que é a que menos cresce entre as principais instituições de ensino superior nacionais, subindo 16 postos.

O maior crescimento no ranking de 2013 é registado pela Universidade Nova de Lisboa, que sobe 43 lugares para a posição 612. Imediatamente a seguir está a Universidade do Minho — que só há um ano entrou na lista —, estando agora na posição 632 (melhora 36 postos). Entre as sete instituições nacionais na lista estão ainda a Universidade de Lisboa, na 485.ª posição (sobe 25 lugares), a Universidade de Coimbra, na 487.ª (melhora 35 posições), e a Universidade de Aveiro, no 524.º posto (sobe 29).

Ao todo, os investigadores nacionais publicaram, no período em análise, mais de 84 mil artigos científicos, o que representa um crescimento de 14 mil face ao relatório que a SCImago publicou no último ano. Se a comparação for feita a uma década, tendo como ponto de comparação a lista de 2009 — que contemplava artigos produzidos desde 2003 —, as instituições nacionais conseguem incluir mais quase 50 mil publicações científicas na lista, mais do que duplicando a sua produção científica.

Esta é a quarta vez que a SCImago produz este ranking, baseado em dados quantitativos relativos a publicações e citações de artigos, contabilizando os anos 2007 a 2011. Portugal coloca 37 instituições — mais oito do que há um ano — numa lista em que constam 2740 universidades e centros de investigação a nível mundial. No entanto, as restantes instituições aparecem abaixo da posição 1000 do ranking.

Nas primeiras posições não há grandes alterações face ao ano passado, destacando-se apenas a troca de posições entre o Consejo Superior de Investigaciones Científicas, de Espanha, que ocupa agora o 8.º lugar, e o norte-americano National Institute of Health. No primeiro lugar mantém-se o Centre National de la Recherche Scientifique (França), com mais de 215 mil publicações, seguido da Academia de Ciência da China e da Academia de Ciência Russa. A Universidade de Harvard (Estados Unidos) e o Instituto Helmholtz (Alemanha) completam o top 5 da lista de 2013 da SCImago.”

Via Público

Descoberto o mais antigo calendário do mundo

“Foi descoberto, na Escócia, o mais antigo calendário do mundo. O achado, localizado em Aberdeenshire em 2004 e que foi, recentemente, alvo de um estudo desenvolvido por universidades britânicas, deverá datar de 8.000 a.C. e, segundo os especialistas, constitui um sinal importante do início da construção formal do tempo e da própria história.
De acordo com as equipas envolvidas no estudo, coordenadas por investigadores da Universidade de Birmingham, em Inglaterra, este “calendário” terá sido criado por sociedades de caçadores-recoletores, fazendo parte de um monumento mesolítico descoberto há quase 10 anos e que foi estudado em pormenor.
Os resultados da investigação foram, em Julho, publicados na revista científica Internet Archaeology e, adianta um comunicado daquela universidade, trazem novas conclusões acerca deste dispositivo.O sistema orientaria os indivíduos através da Lua e do Sol e é anterior em cerca de 5.000 anos aos primeiros equipamentos utilizados para medir formalmente o tempo conhecidos pelo Homem, encontrados na região conhecida como Oriente Próximo.

Até agora, os arqueólogos acreditavam que os primeiros calendários tivessem sido criados na Mesopotâmia mas, ao longo de quase uma década de estudos, acabaram por descobrir que o monumento criado pelos caçadores-recoletores em Aberdeenshire há cerca de 10.000 anos parece “imitar” as fases da Lua de forma a registar os eventos lunares durante 12 meses.
Segundo a equipa, o sítio arqueológico de Warren Field, onde foi descoberto o calendário, tem também em consideração o Solstício de Inverno, que fornece a “correção astronómica anual” necessária para manter uma ligação entre a passagem do tempo, indicada pela Lua, o ano solar e as estações do ano que lhe estão associadas.“O local onde o próprio tempo foi criado”

“As evidências que encontrámos sugerem que as sociedades de caçadores-recoletores da Escócia tinham a necessidade e a sofisticação necessária para registar a passagem do tempo e corrigir as variações sazonais do ano lunar e que isto aconteceu cerca de 5.000 anos antes dos primeiros calendários”, explica Vince Gaffney, coordenador do estudo e professor da Universidade de Birmingham.
“Consequentemente, os dados que recolhemos ilustram um passo importante no sentido da construção formal do tempo e da própria história”, acrescenta Gaffney.
O sítio arqueológico foi descoberto pela primeira vez depois de terem sido detetadas marcas invulgares no terreno através de fotografias aéreas captadas pela Royal Comission on the Ancient and Historical Monuments of Scotland (RCAHMS).
“Temos tirado fotografias da paisagem escocesa ao longo de 40 anos e registado milhares de sítios arqueológicos que nunca teriam sido detetados no terreno. O sítio de Warren Field, no entanto, sobressai como algo especial. É incrível pensar que o nosso ‘censo aéreo’ poderá ter ajudado a encontrar o local onde o próprio tempo foi criado”, afirma David Cowley, daquela comissão escocesa.Clique AQUI para aceder ao resumo do estudo (em inglês).”

Depois de ter andado a ler tanta coisa relacionada não me espanta nada que tivéssemos este tipo de conhecimento há tanto tempo atrás mas é magnífica esta descoberta.

Vacina pioneira controla VIH temporariamente

Media_httpboasnoticia_pcyhf

Acaba de ser divulgada uma vacina capaz de controlar, temporariamente, o VIH em pacientes infetados. O medicamento foi desenvolvido, durante sete anos, por um grupo de cientistas, liderados pelo espanhol Josep Maria Gatell.

Esta vacina educa as células do sistema imunitário para destruir o vírus e pode ser uma alternativa à terapia atual, que se baseia numa monoterapia com medicamentos antirretrovirais e nem sempre é eficiente além de ser muito dispendiosa.

No estudo, publicado na edição desta semana da revista científica Science Translational Medicine”, o grupo de investigadores do hospital Clinic, sediado na Universidade Barcelona, criaram uma vacina composta por células dendríticas derivadas de monócitos – um tipo de glóbulos brancos que faz parte do sistema imunitário dos próprios pacientes, à qual adicionaram o VIH do paciente inativado pelo calor.

De forma a testar a eficácia desta vacina como uma opção no tratamento de doentes infetados com SIDA, os investigadores realizaram testes em 36 pacientes, que pararam de fazer a monoterapia, a fim de controlar a replicação viral no organismo.

Os resultados analisados revelaram que esta vacina consegue controlar a replicação viral reduzindo em 90% a propagação do vírus no organismo do que na fase inicial da infeção. Assim, utilizando as células do próprio sistema imunitário dos portadores do VIH, os cientistas conseguiram dar instruções ao mecanismo de defesa do organismo.

Contudo, a eficácia desta vacina apenas se mantém, no máximo, por um ano perdendo a sua força ao fim de 24 semanas. Após um ano, os pacientes precisam de retomar a terapia à base dos fármacos antirretrovirais para controlar o vírus no organismo.

Apesar deste fator, os cientistas acreditam que esta vacina poderá significar o início do controlo da doença sem os antirretrovirais, que além de caros devem ser utilizados durante toda a vida dos pacientes infetados.

Agora, a equipa pretende trabalhar mais a vacina combinando a mesma com outros procedimentos terapêuticos de modo a conseguirem controlar o vírus sem recorrer aos antirretrovirais.

Clique AQUI para aceder ao estudo (sujeito a subscrição).

http://nv-politique.blogspot.pt/

Cientistas descobrem como é que o VIH se propaga

Foi decifrado o mecanismo que o vírus do VIH utiliza para entrar no sistema imunitário. A descoberta é de uma equipa de cientistas do Instituto de Investigação da Sida IrsiCaixa, de Barcelona, em parceria com investigadores das universidades de Heildelberg e de Lausanne (Alemanha e Suíça respetivamente).

O estudo publicado, em meados de Dezembro, no jornal científico “PLos Biology” conseguiu desvendar algo nunca antes feito, podendo constituir um passo importante para o desenvolvimento de um novo fármaco capaz de travar a transmissão do VIH no corpo humano.

Atualmente, os medicamentos utilizados não conseguem eliminar totalmente o vírus do VIH visto que este se aloja no interior das células dendríticas, que fazem parte do sistema imunitário, utilizando as mesmas para propagar o vírus e infetar o organismo.

Mas o trabalho desenvolvido por estes cientistas conseguiu descodificar a forma como o vírus se aloja nestas células. Já no início do ano, a equipa da IrsiCaixa tinha identificado umas moléculas, as gangliosides, na superfície do VIH que são reconhecidas pelas células dendríticas sendo responsáveís pela propagação do vírus.

Agora, os cientistas identificaram uma outra molécula, na superfície destas células, que permite o reconhecimento do VIH e a sua propagação aos linfócitos T, uma situação que inibe o sistema imunitário.

Contudo, a parte mais importante da investigação prende-se com o facto dos cientistas terem conseguido uma família de proteínas presentes nas células dendríticas – as proteínas Siglecs – que, se forem inibidas, fazem com que as dendríticas percam a sua capacidade de capturar e propagar o VIH.

Os cientistas acreditam que esta descoberta será fundamental para combater a Sida e para evitar a propagação de outros vírus que agem de forma semelhante ao VIH.

Clique AQUI para aceder ao estudo.

http://nv-politique.blogspot.pt/

Rui Costa, neurocientista português recebe distinção mundial

Media_httpboasnoticia_kwexx

Um cientista português recebe, esta segunda-feira, um prémio de prestígio internacional que distingue o seu percurso profissional. Rui Costa, principal investigador do programa de neurociências da Fundação Champalimaud, vai ser agraciado com o Young Investigator Award da Society for Neuroscience, no valor de 15 mil dólares (cerca de 11.500 euros).

O presidente do comité que atribui o Young Investigador Award, prémio do jovem investigador, destacou a contribuição de Rui Costa na investigação em neurociências no nosso país, em particular na área da neurobiologia de ação, que procura decifrar os mecanismos escondidos por trás da capacidade de aprendizagem e da aquisição de novas competências.

O galardão que será entregue ao jovem português, um dos únicos premiados este ano, trata-se, portanto, de um prémio de carreira, que homenageia todo o trabalho de investigação feito até ao momento e não um trabalho em particular, sucedendo-se a uma série de distinções que Rui Costa tem vindo a acumular em reconhecimento da sua investigação.

De salientar que, além de ajudarem a perceber os mecanismos neurais básicos, as descobertas de Rui Costa podem também ter implicações na compreensão e tratamento das doenças neurodegenerativas, como é o caso da doença de Parkinson.

O Young Investigador Award vai ser entregue durante o encontro anual da Society for Neuroscience, sociedade norte-americana para as neurociências, em Nova Orleães, nos EUA. Desde 1971 que a reunião agrega neurocientistas de todo o mundo, sendo, de acordo com a Fundação Champalimaud, um local de excelência para apresentação dos trabalhos de investigação mais recentes nesta área.

http://nv-politique.blogspot.pt/

Método luso permite acabar com testes em animais, boas notícias sem dúvida.

Media_httpboasnoticia_vaekd

Um teste pioneiro desenvolvido por uma equipa de investigadores do Centro de Neurociências (CNC) e da Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra (UC) para detetar a potencial reação alérgica da pele aos químicos permitirá reduzir significativamente os ensaios feitos em animais na indústria da cosmética.

Este teste inovador “in vitro”, denominado Sensitiser Predictor, consegue avaliar a sensibilização cutânea e baseia-se na utilização de células de pele imortalizadas – a chamada linha celular – para apurar, por meio da análise de diversos parâmetros, o potencial alergénico cutâneo de químicos antes da sua introdução no mercado, substituindo, deste modo, os respetivos testes em animais.

O método português resulta de sucessivos estudos realizados ao longo dos últimos seis anos pelos investigadores Bruno Neves, Teresa Cruz Rosete e Susana Rosa, tendo sido já distinguido com vários prémios nacionais e internacionais.

Além de “dar resposta à imposição legislativa da União Europeia no sentido de abolir a utilização de animais em testes de produtos da indústria de cosmética, é um método muito mais rápido do que os atuais que recorrem aos ensaios em ratinhos, mais económico e passível de ser usado em grande escala”, explica Teresa Cruz Rosete em comunicado enviado ao Boas Notícias.

Patente internacional em fase de validação

Embora a União Europeia venha a pressionar, cada vez mais, a indústria da cosmética para pôr fim aos ensaios em animais, não existem ainda testes alternativos para diversos itens de toxicidade, nomeadamente a sensibilização cutânea.

Por isso, defende Teresa Cruz Rosete, o Sensitiser Predictor poderá marcar “a mudança de paradigma na avaliação da toxicidade de compostos”. “A comunidade científica internacional está precisamente a apostar no desenvolvimento de métodos simples e rápidos para substituir os testes em animais”, conclui.

O projeto, também financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) tem, atualmente, uma patente internacional em fase de avaliação, faltando-lhe ainda também a “validação do European Centre for Validation of Alternative Methods – ECVAM, para que possa ser considerado teste de referência ao nível da OCDE”, desvenda a investigadora do grupo de Imunologia Celular e Oncobiologia do CNC e docente da Faculdade de Farmácia da UC.

O grupo de investigadores da UC e do CNC, o único em Portugal a trabalhar, neste momento, no desenvolvimento de testes para a avaliação da sensibilização cutânea, cujo processo de avaliação de toxicidade é muito complexo, pretende agora alargar o teste a outras áreas, nomeadamente a alergias respiratórias.

http://nv-politique.blogspot.pt/

Estudantes lusos vencem prémio de originalidade European Patent Office (EPO) no Concurso Europeu para Jovens Cientistas 2012

Media_httpboasnoticia_bjrrt

Três jovens da Escola Secundária de Arouca venceram, a semana passada, o prémio de originalidade European Patent Office (EPO) no Concurso Europeu para Jovens Cientistas 2012 (EUCYS), que teve lugar na Eslováquia.

Armindo Fernandes, Mariana dos Santos e Ricardo Fernandes, com idades compreendidas entre os 17 e os 18 anos, ganharam o galardão graças ao projeto “Flies on the Phone”, que tenta perceber a relação entre a fertilidade masculina da mosca-do-vinagre quando exposta à radiação emitida pelos telemóveis.

Com esta pesquisa, os estudantes descobriram que a radiação provoca uma redução na fertilidade masculina da mosca-do-vinagre. Apesar de esta exposição não exercer uma influência negativa na quantidade e qualidade do esperma, a radiação diminui a capacidade de os machos atraírem as fêmeas porque as asas dos machos (órgão usado para cortejar as moscas fêmeas) são afetadas na sua morfologia.

Para além das implicações diretas que a radiação tem sobre estas espécies, a radiação eletromagnética também afeta as futuras gerações desta espécie a nível comportamental e morfológico.

Este prémio é atribuído a apenas seis concorrentes, sendo que os vencedores ganham uma visita de cinco dias ao escritório europeu de patentes, que se situa em Munique, na Alemanha, e ao património cultural da cidade.

A 24ª edição do EUCYS contou com 123 estudantes de 37 países, que no total apresentaram 83 projetos a concurso.

http://nv-politique.blogspot.pt/

Champimóvel na CEBI de 25 a 28 de setembro

Com o objectivo de divulgar a investigação científica biomédica junto dos mais novos, a Fundação Champalimaud está a realizar uma ação em escolas. Produziu para o efeito um conteúdo interactivo de formação dirigido a jovens, que é apresentado num simulador móvel, transportado por um camião. É um show animado interativo em 4D com cerca de 25 minutos: uma viagem através do corpo humano, apresentada pela personagem Champi.

A ação, designada por Champimóvel, teve início em Abril de 2008 e percorrerá as escolas dos 2º e 3º ciclos de todos os distritos do país. Tem como objetivos despertar o interesse dos jovens estudantes pelos temas científicos e incentivar talentos nessa área, bem como, envolver ativamente alunos e professores, através de um conjunto de atividades que ultrapassem a apresentação do show, de maneira a manter o interesse dos jovens pela ciência.

Estará na Fundação CEBI entre 25 e 28 de setembro para que os alunos entre os 8 e 14 anos do Colégio José Álvaro Vidal (Alverca e extensão de Arruda) e do Colégio Duque de Bragança possam beneficiar desta excelente experiência.

Boas práticas

http://nv-politique.blogspot.pt/

5 Investigadores lusos em início de carreira ganham financiamento europeu

O Conselho Europeu de Investigação CEI) anunciou, esta segunda-feira, que vai financiar 536 investigadores em início de carreira por toda a Europa. Entre os jovens escolhidos, após mais de 4.700 candidaturas, estão cinco cientistas portugueses.

De acordo com comunicado divulgado no site oficial do CEI, o financiamento que será cedido aos investigadores tem um valor total de 800 milhões de euros, podendo ser atingidos os 2 milhões de euros por projeto por um período máximo de cinco anos.

O objetivo é permitir que os “cientistas mais promissores” possam desenvolver as suas melhores ideias nas fronteiras do conhecimento, bem como criar as suas próprias equipas de investigação, envolvendo mais de 3.000 doutorados e doutorandos e apoiando, assim, uma nova geração de cientistas “de topo” no continente europeu.

(…)

Na área das ciências físicas e engenharia, os investigadores portugueses contemplados pelo programa serão Manuel António Moreira Alves (Universidade do Porto) e Lino Ferreira (Centro de Neurociências e Biologia Molecular da Universidade de Coimbra).

Quanto às ciências da vida, as representantes portuguesas serão Maria Goreti Ferreira Sales (Instituto Superior de Engenharia do Porto), Maria Mota (Instituto de Medicina Molecular da Universidade de Lisboa) e Mariana Pinho (Instituto de Tecnologia Quimica e Biológica da Universidade Nova de Lisboa).

Boas práticas

http://nv-politique.blogspot.pt/